Pedágio começa a operar no dia 22 de novembro

Pedágio começa a operar no dia 22 de novembro

Tarifa cobrada deve ser de R$6,90; Arteris não confirma a informação

Por Sandro Alponte 06/08/2018 - 09:46 hs
Foto: Jaunews.net
Pedágio começa a operar no dia 22 de novembro
Pedágio está sendo construído próximo ao limite de Barra/Jaú

Os veículos que trafegam pela SP-255, no trecho entre Barra Bonita e Jaú, passam a pagar pedágio a partir do dia 22 de novembro. Pelo menos é essa a informação apurada por nossa redação. A cobrança será a partir da 0 hora do dia 22.

O valor ainda está indefinido, segundo informou a assessoria de imprensa da Arteris, empresa responsável pela administração da rodovia. Em documento enviado a nossa redação na semana passada. “Os valores das tarifas são calculados pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP). Eles são definidos de acordo com índices econômicos, como o Índice de Preço do Consumidor (IPCA) e serão divulgados tão logo a agência reguladora encaminhe suas definições à concessionária”, esclareceu a empresa. “A cobrança das tarifas de pedágio será bidirecional, ou seja, nos sentidos norte e sul das rodovias (na ida e na volta para quem parte de Barra, por exemplo)”.

 

Ponto a ponto

 

A Câmara de Vereadores de Barra Bonita já se movimenta para entrar com pedido de cobrança ponto a ponto, ou seja, só pagar pelo valor do trecho percorrido.

O sistema funciona da seguinte forma. Quando o motorista chega a um dos pórticos com o sistema, as suas antenas lêem os tags instalados dentro do carro. É preciso aderir ao sistema. Na hora em que o motorista chega ao pedágio ele deve se dirigir à cabine de cobrança automática para que a antena faça a leitura do sistema e libere automaticamente a cancela. Além de pagar apenas o trecho efetivamente percorrido na via, outra vantagem do sistema é a agilidade que dá ao trânsito, pois o carro não precisa parar no pedágio, apenas reduzir a velocidade.

Os vereadores devem cobrar esse serviço da Arteris através de ação política junto a Artesp, que é a responsável por exigir ou não esse tipo de cobrança.