Homem pega 20 anos por matar inocente em briga após assalto

Wanderson de Oliveira foi condenado pela morte de Giovanni Corbio, de 16 anos

Por Carla Parezan 12/04/2018 - 11:17 hs
Foto: Reprodução/Facebook
Homem pega 20 anos por matar inocente em briga após assalto
Morto, Giovanni Corbio, 16 anos, não tinha antecedentes criminais, segundo a polícia

Após cerca de dez horas de júri popular, Wanderson Anízio de Oliveira, 26 anos, foi condenado a 20 anos de prisão por matar, em 13 de dezembro de 2015, o adolescente Giovanni Jhonnys Dias Corbio, 16 anos. A pena inclui ainda uma tentativa de homicídio contra seu comparsa.

Uma desavença provocada pelo fato de um ladrão ter dito o apelido de outro durante um assalto resultou na morte de um inocente, segundo concluiu a Polícia Civil sobre o caso. Na tentativa de proteger o irmão, Jhonatan William Dias Corbio, 19 anos, Giovanni acabou sendo atingido por três disparos efetuados por Wanderson.

De acordo com as investigações conduzidas pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Wanderson teria chamado Jhonatan por seu apelido, Jow, na frente das vítimas durante um assalto realizado pela dupla, o que teria motivado a briga entre eles, conforme o JC noticiou.

Advogada do réu, Janete da Silva Salvestro detalha que o júri acolheu as teses da promotoria: de que Wanderson tinha a intenção de matar, pois ele anunciou que iria buscar a arma, segundo enfatizou o promotor Djalma Marinho Cunha.

Salvestro pontua que esta condenação de homicídio levou em consideração duas qualificadoras: motivo fútil e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. Porém, a advogada afirma que irá recorrer da decisão.

"Sobre o assassinato consumado, a defesa entende que houve uma fatalidade, uma vez que os disparos atingiram o adolescente acidentalmente, em razão da briga. Em relação à tentativa de homicídio, foi a vítima quem provocou o Wanderson. Então, o réu agiu em legítima defesa".

Samantha Ciuffa
Júri popular de Wanderson Anízio de Oliveira durou dez horas

'QUERO JUSTIÇA'

Vestindo camisetas com a foto de Giovanni estampada, familiares e amigos da vítima acompanharam o julgamento na terça-feira (10). "Quero que ele (Wanderson) apodreça na cadeia. Quero Justiça", desabafou a mãe do adolescente, a auxiliar de cozinha Sandra Regina Carneiro Alves, de 35 anos.

RELEMBRE O CASO

O homicídio é resultado de uma briga após roubo praticado por Wanderson e Jhonatan, em 7 de dezembro de 2015. Armada, a dupla rendeu clientes e funcionários de uma loja de materiais de construção do Parque Jaraguá e levou R$ 260,00. 

A desavença entre eles começou porque, durante a ação, Wanderson teria chamado Jhonatan por seu apelido, "Jow", o que poderia facilitar a sua identificação, o que, de fato, aconteceu.

Na noite de 13 de dezembro, os dois discutiram em frente à residência de Jhonatan, no Fortunato Rocha Lima, quando Wanderson teria dito que voltaria armado para matá-lo. Momentos depois, ele retornou com a arma.

Entretanto, Giovanni apareceu no local para defender o irmão mais velho. Ao ver Jhonatan ser atingido por um disparo no ombro, o adolescente entrou na frente do irmão e acabou sendo baleado por três vezes, na região do abdômen e nas costas.

Marcus Liborio - jcnet.com.br